Fale Comigo no MSN

rapaz.direito@hotmail.com / www.formspring.me/joaopaulobarra

terça-feira, 10 de julho de 2012

O QUE OS HOMENS GOSTARIAM DE DIZER ÀS MULHERES...



"Deite na cama, suba a saia e abra as pernas."

"A mim só interessa o que você tem no meio das pernas."

Frases do coronel Jesuíno para sua Sinhazinha na novela "Gabriela". Toda mulher deveria ter um homem desses...


segunda-feira, 2 de julho de 2012

VIDA DE SOLTEIRO



Ser solteiro não significa que você não sabe nada sobre o amor, e sim, que você sabe o bastante para não perder tempo com qualquer pessoa.




domingo, 1 de julho de 2012

O HOMEM IDEAL É 2 EM 1




Na verdade, as mulheres querem a pegada e experiência de um cafajeste e o respeito e comprometimento de um bom moço.



sábado, 23 de junho de 2012

TAMANHO NÃO É DOCUMENTO



"Para um homem me dar prazer, precisa ser bem dotado. Tamanho não é documento, mas é gostoso. Quem fala que sente prazer com coisa pequena, está mentindo".

Thaís Bianca, Panicat.



 OQOHP - EU JÁ SABIA...!


quarta-feira, 20 de junho de 2012

TEXTO DE UMA LEITORA SOBRE OS HOMENS CAFAJESTES



 Lendo muito a frase "garotas flertam com os cafajestes, mas é com o bonzinho que se casam", sempre procurei entender o porquê. Não cheguei a nenhuma conclusão. Lendo mais um pouco, cheguei a uma:

Venhamos e convenhamos que não há nada mais atraente do que um cafajeste. Sempre tão cheio de si, mil mulheres correndo atrás e um poder de persuasão indiscutível. Eles sempre sabem o que deve ser feito, o que deve ser dito. Os reis da autoconfiança. Eles são um tipo de castigo pra gente que idealiza tanto. Tô pra conhecer quem nunca sofreu por um desses cafajestes ainda.

Sem perder sua essência, eles se dividem em muitos subtipos, tem cafajeste pra todos os gostos. Os cafajestes de família estão no topo da cadeira. Você sabe que ele é um cara legal, te envolve como ninguém, um ótimo perfil pra se namorar, mas o cara gosta de você e de todas... "olha, eu não quero me comprometer tão cedo!". Aconteça o que acontecer, ele não vai mudar de ideia. Sincero, sem ilusões. Você também não quer, estão é sem problemas. Vocês têm uma relação legal, ele te dá atenção na medida certa. Te dá tudo na medida, você não queria namorar nesse momento, mas pensando bem, como ia ser bom se vocês namorassem. Você já tá apaixonada mesmo, agora já era! Aliás, só não namoram porque.... ele é um cafajeste!

 Tem o cafajeste típico, esses têm de sobra! Ele te conhece de vista há um mês, quando ele finalmente se aproxima, na primeira semana já te ama e te acha diferente, especial, muito linda e todo aquele blábláblá que a gente já conhece. Na primeira semana meu bem, isso é sério. São adeptos fiéis ao bom e velho “vai que cola né?”, com seu leque de cantadas limitado a clichês, ele usa o mesmo papinho pra todas, e sim, tem quem acredite e se apaixone e entre naquela fossa que a gente sabe bem qual é. Esse tipo eu acho bem patético, não sei bem se me irrita ou me dá pena, mas enfim. 

Tem o cafajeste por acidente, ou talvez, não tão acidente assim. Ele tá contigo, sempre diz que gosta muito de você, mas sempre vacila. Ele sabe que tá vacilando, mas o instinto dele fala mais alto que o sentimento por você. "Isso te magoa, amor? Desculpa, não faço mais”. Não faz mais hoje, amanhã, a saga continua. 

A cadeia é extensa, então pra finalizar, vamos falar sobre a base da pirâmide: Os cafajestes surpresa!

De primeiro instante, ele é um cara normal, sem cartas na manga, não te ilude, você pode se apaixonar ou não, mas geralmente embarca nessa confiante de que não vai se apaixonar, afinal, ele é bem normal. Os dias passam, ele tá gostando de você, você gosta de estar com ele... se ele te pedir em namoro, tá feito, vocês namoram. Vale a pena ser frisado que você estava em paz, tranquila e ELE estava gostando de você, você gostava de ESTAR com ele, mas aceitou namorar, não tinha nada a perder. Até que você se envolve também, e tá tudo muito bem, tudo muito bom até que ele quer um tempo. OI? é, um tempo! 

Ele não tá seguro do que quer, não quer te magoar, te envolver nisso. O problema é com ele. Vocês aconteceram num tempo errado, vai ser melhor pros dois. Que desgraça! Que egoísmo! Que babaca! 

Revoltas à parte, voltamos a fossa. Não tem muito pra onde correr, eles estão por todos os lados... escolha já o seu e boa sorte! Menos cruel do que ser escolhida.


Sanzya Danielly, Caraúbas, Rio Grande do Norte

terça-feira, 12 de junho de 2012

... OS OUTROS 364 DIAS.



O Dia é dos Namorados, mas a noite é dos Solteiros!

Feliz outros 364 dias...


FELIZ DIA DOS NAMORADOS (E DO AMOR)


Os Jardins Suspensos da Babilônia são um símbolo do amor de um homem por uma mulher.


Os Jardins Suspensos foram construídos na Babilônia a mando do rei Nabucodonosor, no século VI a.C., tornando-se uma das principais obras arquitetônicas empreendidas pelo monarca durante seu reinado pela Mesopotâmia. A obra é considerada uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo, apesar de não se ter registros de sua existência em pesquisas arqueológicas.
.
Eram compostos por cerca de seis terraços construídos como andares, dando a ideia de serem elevadiços – ou suspensos, como o próprio nome sugere. Os andares tinham cerca de 120 m², apoiados por gigantes colunas que chegavam a medir até 100 metros.
.
Cada superfície era adornada com jardins botânicos que continham inúmeras árvores frutíferas, esculturas dos deuses cultuados pelos acádios e cascatas, situadas em uma planície retangular.
.
Para preservar a beleza dos Jardins Suspensos, escravos mantinham o sistema de roldanas e baldes para encher as cascatas e piscinas, distribuindo toda a irrigação para as superfícies do local.
.
O rei Nabucodonosor havia mandado construí-lo para satisfazer as vontades de sua esposa preferida Amitis. Ela dizia que sentia saudades dos campos e florestas de sua terra natal, Média.
.
Por mais que se imagine a estonteante beleza dos Jardins Suspensos, muito pouco se sabe de como ele era realmente mantida e qual foi sua finalidade ou o motivo de sua total destruição. Em nenhum dos documentos encontrados na Babilônia no período de Nabucondosor encontra-se registro da existência dessa gigantesca obra arquitetônica. O que se sabe está registrado em anotações de historiadores gregos, mas, mesmo assim, a maioria de suas informações são muito vagas.
 
 

segunda-feira, 28 de maio de 2012

MULHERES QUE SÃO EXEMPLOS

 

Indiana forçada a se casar aos 12 anos supera abusos e vira milionária.


Uma mulher indiana de uma classe marginalizada, que chegou a tentar o suicídio para escapar da discriminação, da pobreza e dos abusos físicos, é hoje a presidente-executiva de uma empresa multimilionária da Índia.

A vida de Kalpana Saroj, uma executiva bem-sucedida e premiada, tem elementos que parecem saídos de um filme de Bollywood, com a superação de obstáculos até chegar a um final feliz.

Nascida em uma baixa casta do grupo Dalit (uma população sul-asiática de várias castas considerada intocável), Saroj foi vítima de bullying na escola, forçada a se casar aos 12 anos, enfrentou pressões sociais para conseguir abandonar seu marido e tentou tirar sua própria vida.

'A primeira vez que cheguei em Mumbai (sul da Índia), sequer sabia para onde ir. Eu vinha de uma aldeia tão pequena. Hoje minha companhia dá nome a duas estradas na cidade', relata Saroj, resumindo as transformações que enfrentou em sua vida.

O sistema de castas da Índia é uma antiga forma de hierarquia social, em que a pessoa é desde seu nascimento classificada em uma categoria da sociedade. Quem nasce em castas mais baixas é historicamente fadado à discriminação.

'Os pais de alguns de meus amigos não me deixavam entrar em suas casas. Eu não podia participar de algumas atividades da escola por ser Dalit', diz Saroj, hoje com 52 anos de idade.

Seu pai permitiu que ela obtivesse educação escolar, mas pressões sociais a forçaram a se tornar uma noiva aos 12 anos. Mudou-se para uma favela de Mumbai com seu marido, dez anos mais velho.

Para piorar, começou a sofrer abusos. 'Fui maltratada pelo irmão mais velho do meu marido e pela mulher dele. Eles puxavam meu cabelo e me batiam, às vezes por coisas pequenas. Eu me sentia quebrada pelas agressões verbais e físicas.'

 O ato de abandonar um marido é fortemente repreendido na cultura indiana, mas, graças ao apoio de seu pai - que, durante uma visita a Mumbai, chocou-se ao ver a filha abatida e vestindo trapos -, Saroj conseguiu escapar de seu relacionamento abusivo.

O retorno de Saroj a sua aldeia natal, no entanto, foi visto como um fracasso pelos vizinhos. Para escapar da pressão social, ela focou suas energias em tentar obter um emprego e aprender a costurar.
Mas mesmo após conquistar algum grau de independência, ela não conseguiu suportar a pressão.

'Certo dia decidi pôr fim à minha vida. Bebi três garrafas de inseticida', recorda.
Foi salva por sua tia, que entrou no quarto e encontrou-se com ela espumando e convulsionando incontrolavelmente.

 Foi um ponto de virada em sua vida. 'Decidi que ia viver a minha vida e fazer algo grandioso.'
 
Aos 16 anos, ela mudou-se de volta a Mumbai e foi morar na casa de um tio, para trabalhar como alfaiate. Começou recebendo um dólar por mês para operar máquinas de costura industriais. Foi recebendo seu salário aos poucos, mas, quando ela percebeu que o dinheiro seria insuficiente para pagar um tratamento de saúde para sua irmã doente, descobriu que precisaria ir além.

'Fiquei muito desapontada ao notar que o dinheiro importa sim na vida, e eu precisava ganhar mais', afirma.

Ela tomou um empréstimo do governo e abriu um empreendimento no setor de móveis. Fazendo jornadas de trabalho de 16 horas diárias - hábito que mantém até hoje -, acabou conquistando admiração no mundo empresarial.

Foi convidada a assumir o comando de uma empresa de produção de metais, Kamani Tubes, que estava fortemente endividada. Reestruturou e mudou a companhia.

'Queria fazer justiça para os empregados da empresa', diz Saroj sobre sua motivação. 'Tinha que salvá-la. Eu entendia a posição das pessoas que trabalhavam ali e precisavam pôr comida na mesa de suas famílias.'

A Kamani Tubes é hoje uma empresa multimilionária, que emprega pessoas de diferentes castas.
Saroj, por sua vez, casou-se novamente, com um executivo do setor moveleiro, e teve dois filhos.
Como Dalit e como mulher, sua história é um ponto fora da curva num país onde tão poucos altos executivos têm origens marginalizadas.

Fonte: G1

 

terça-feira, 22 de maio de 2012

POR QUE MULHERES PREFEREM OS CAFAJESTES?


A resposta, segundo o estudo, está nos hormônios femininos e na bagunça que eles provocam na capacidade de julgamento das mulheres. Durante o período de ovulação, esses hormônios acabam influenciando a sua visão do que é um bom parceiro em potencial: elas passam a preferir os homens mais bonitos e sensuais e dar menos importância a fatores como a confiabilidade.

Para chegar a essa conclusão (que está publicada no Journal of Personality and Social Psychology), os pesquisadores mostraram a mulheres perfis de sites de namoro de homens do tipo mais sexy e cafajeste e do tipo mais confiável (o que provavelmente significava que eram bonzinhos, mas não providos de tanto sex appeal). Elas tiveram que avaliá-los durante períodos de fertilidade alta e baixa e dizer, em cada uma dessas ocasiões, como achavam que eles se sairiam como pais caso tivessem um filho juntos.

Resultado: quando as voluntárias estavam sob a influência dos hormônios da ovulação, elas achavam que o homem mais sexy contribuiria mais para tarefas domésticas como cuidar do bebê, comprar alimentos e cozinhar. Segundo Kristina Durante, uma das autoras, nesse período “as mulheres se iludem em pensar que os bad boys se tornarão parceiros dedicados e pais melhores. Ao olhar para eles através dos ‘óculos da ovulação’, o Sr. Errado vira o Sr. Certo”.

Em um segundo teste, as coisas ficam mais interessantes (para as voluntárias): elas tiveram que interagir pessoalmente com atores do sexo masculino que fizeram os papéis de cafajeste sexy e pai confiável. Isso também aconteceu duas vezes, uma durante seu período de ovulação e outro durante baixa fertilidade. E de novo as mulheres na primeira condição acharam que o bad boy (e não o PAI confiável) contribuiria mais para o acolhimento de uma criança.

Mas olha o truque desses hormônios para empurrar as mulheres para os braços do cafa: a ilusão do bom pai só vale para a hipótese de eles terem um filho com elas, não com outra mulher. Quando tinham de responder que tipo de pai um homem assim seria caso tivessem um filho com outra pessoa, elas eram rápidas em apontar os seus possíveis defeitos. No entanto, caso elas próprias fossem a mãe, a coisa mudava de figura e os bad boys viravam um ótimo pai para seus filhos.


Fonte: Super Interessante

 

terça-feira, 15 de maio de 2012

MULHER "DIREITA"




Nos dias de hoje, não existe mais mulher "direita", existe mulher sem coragem e oportunidade.





domingo, 6 de maio de 2012

terça-feira, 1 de maio de 2012

sexta-feira, 27 de abril de 2012

DIA DA EMPREGADA DOMÉSTICA




E mais uma vez o OQOHP faz essa homenagem a essa personagem da fantasia sexual de todo adolescente e homem adulto.



segunda-feira, 23 de abril de 2012

HOJE É DIA DE MATAR UM DRAGÃO




Hoje é Dia de São Jorge.

Parabéns a você que já deu uma de São Jorge e matou um DRAGÃO só para que seu amigo pegasse a amiga gatinha dela.

Você é um herói.



terça-feira, 17 de abril de 2012

EQUAÇÃO FEMININA



Mulher é igual a fórmula de equação, não é pra entender, é pra decorar.



quinta-feira, 12 de abril de 2012

quarta-feira, 11 de abril de 2012

ABELHA-RAINHA




Mulheres são como abelhas, ou estão fazendo Mel, ou estão te ferrando.